Entenda a lógica dos números dos CPF e CNPJ

O CPF e CNPJ são registros extremamente importantes para as pessoas físicas e jurídicas respectivamente. Isso porque através destes dois números é possível realizar uma série de operações que dificilmente você conseguiria caso não pudesse contar com eles.

O CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) é um registro mantido pela Receita Federal do Brasil que classifica a situação do contribuinte e identifica o cidadão no exercício de suas atividades no país. É possível efetuar apenas uma única inscrição e a sua numeração não pode ser alterada nem mesmo com a perda do cartão.

De maneira similar, o CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) é um registro mantido pela Receita Federal que busca identificar as pessoas jurídicas no exercício de suas atividades e a sua situação.

No CNPJ, constam os principais atributos do estabelecimento como nome empresarial, composição societária, data de abertura, domicílio, dentre outros. Também conta com uma numeração única. Nesse artigo, você entenderá um pouco mais sobre a lógica das numerações do CPF e CNPJ.

Diante da importância desses dois registros, muitas pessoas ficam na dúvida sobre qual a logica utilizada para gerar números tão relevantes e únicos.

Se você também tem essa dúvida, então confira a seguir a logica da numeração do CPF e CNPJ e veja como cada sequencia numérica é criada.

 

Conheça a logica da numeração do CPF e CNPJ

  • Lógica da numeração do CPF

O CPF contém uma configuração de 11 números. Os oitos primeiros números são classificados como o número-base, enquanto que o nono dígito define a região fiscal do contribuinte. Segue abaixo o número que corresponde a cada região/estados:

  • – Rio Grande do Sul
  • – Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins
  • – Amazonas, Pará, Roraima, Amapá, Acre e Rondônia
  • – Ceará, Maranhão e Piauí
  • – Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte
  • – Bahia e Sergipe
  • – Minas Gerais
  • – Rio de Janeiro e Espírito Santo
  • – São Paulo
  • – Paraná e Santa Catarina

Os dois últimos números são chamados de dígitos verificadores. Também denominados de números-controle, os dígitos verificadores são incorporados aos números para evitar erros de digitação em cadastros e transações. São obtidos pela soma em um módulo de 10 e 11 respectivamente, em que valores anteriores são incluídos em uma fórmula.

 

  • Lógica da numeração do CNPJ

O CNPJ tem a configuração de 14 números, onde os primeiros oito dígitos são os números-base, os quatros números seguintes representam o número de ordem das filiais da empresa e os dois últimos números os dígitos verificadores.

Os dígitos verificadores são utilizados para o CNPJ pelos mesmos motivos que o CPF, evitando falhas na digitação em cadastros e transações e são obtidos também pelo mesma lógica de cálculo.

 

A importância de ter o seu cadastro

Ter o seu cadastro regular como pessoa física e/ou pessoa jurídica é de grande relevância para o exercício dos atos da vida civil, pois só através de um cadastro regular, é possível ser identificado e realizar atos importantes como transações financeiras, cadastros, posse em concurso, dentre muitos outros.

Além disso, a Receita Federal disponibiliza em seu sítio a opção de consultar a regularidade do CPF e CNPJ. A consulta grátis de CPF é interessante para acompanhar se o documento permanece em dia e se o contribuinte não tem débitos ou pendências com a Receita.

A consulta ao CNPJ é amplamente utilizada não só pelos representantes da empresa detentora do cadastro, mas por várias entidades que precisam verificar a procedência e regularidade da pessoa jurídica antes de concluir importantes parcerias e projetos.

E então, ficou com dúvidas sobre a lógica da numeração do CPF e CNPJ? Então comente abaixo e compartilhe conosco a sua dúvida!